sábado, 11 de fevereiro de 2012

Projeto implementa reciclagem dos resíduos sólidos

Projeto implementa reciclagem dos resíduos sólidos consumidos na Uezo

Um projeto propõe dar um destino ecologicamente correto aos resíduos sólidos consumidos e coletados no Centro Universitário Estadual da Zona Oeste (Uezo) – e no Instituto de Educação Sarah Kubitschek –, em Campo Grande. Para ajudar a difundir a consciência ambiental entre alunos, professores e funcionários, uma minirrecicladora está sendo instalada nas dependências da instituição, com recursos do edital de Apoio à Infraestrutura das Universidades Estaduais, da FAPERJ. Resíduos sólidos urbanos, como metal, papel, plástico e vidro, descartados pela própria comunidade acadêmica, serão reaproveitados regularmente depois de passarem por um processo de coleta seletiva e reciclagem.

A iniciativa pode render à Uezo o status de se tornar a primeira instituição de ensino superior pública do estado do Rio de Janeiro a adotar um programa para a reciclagem de todo o material sólido descartado, exceto o lixo orgânico. “O objetivo é trabalhar os conceitos de coleta seletiva e reciclagem, promovendo a educação ambiental e a pesquisa sobre as melhores formas de coletar e reciclar”, destaca a coordenadora do projeto, Luciana Portal da Silva, que é professora e pesquisadora do curso superior de Tecnologia em Polímeros da instituição. “O projeto pode contribuir também para gerar novos materiais reciclados, com melhores propriedades”, acrescenta.

É reciclando que se aprende

A minirrecicladora da Uezo está em fase final de instalação, com a chegada dos últimos equipamentos semi-industriais adquiridos com o apoio da Fundação e a etapa de sua ligação elétrica. “Primeiro, os materiais sólidos já descartados seletivamente pela comunidade acadêmica passarão por uma esteira no laboratório, onde serão separados, lavados, secos e moídos para se tornarem insumos para as aulas práticas e também para novos produtos. De acordo com o tipo de resíduo, seja metal, vidro, papel ou plástico, haverá um processo de reciclagem específico", resume Luciana Portal.

De acordo com a pesquisadora, o projeto alia os três pilares de sustentação de uma universidade: a pesquisa, o ensino e a extensão. “O projeto contempla a pesquisa em reciclagem, e já temos seis trabalhos de conclusão de curso finalizados. Ele também atende ao pilar de ensino, porque os alunos do curso de Tecnologia em Polímeros podem aprender como funcionam os processos de reciclagem na prática, manuseando os equipamentos da minirrecicladora nas aulas das disciplinas de Coleta seletiva de resíduos poliméricos e de Reciclagem de polímeros”, diz Luciana, lembrando ainda que a Uezo oferece o mestrado profissional na área de Materiais, recentemente aprovado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). “A primeira turma do mestrado profissional em Materiais começará seus estudos em março. Uma das linhas de pesquisa será a Reciclagem de Polímeros e a minirrecicladora também atenderá às pesquisas desses alunos”, detalha.

Já o pilar extensão está relacionado aos impactos positivos que o projeto se propõe a levar à comunidade de Campo Grande. “Vamos oferecer cursos de extensão sobre coleta seletiva e reciclagem de materiais, inteiramente gratuitos. A proposta é que a população possa utilizar esse conhecimento como uma oportunidade de negócio e de melhoria de renda para pequenas famílias”, ressalta a professora. “Sem contar com o benefício para a saúde e limpeza do bairro, uma vez que as instituições ficarão mais limpas”, completa.

Para além dos benefícios à população local, outro aspecto da iniciativa é estimular o empreendedorismo entre os alunos da Uezo, contando também com o apoio da empresa júnior da instituição. “O beneficiamento de materiais que seriam descartados de forma indevida pode ser uma boa oportunidade de negócio para os formandos dos cursos da Uezo, que podem trabalhar com consultoria em reciclagem ou mesmo montar pequenas empresas especializadas no ramo”, conclui Luciana Portal.

A Uezo localiza-se nas dependências do Colégio Estadual Sarah Kubitschek, onde convivem crianças, adolescentes e adultos, em um grande espaço físico de Campo Grande. Além de Luciana Portal, participam como colaboradores do projeto os professores Carlos Roberto Falcão de Albuquerque Júnior, Ricardo de Freitas Cabral e Márcio da Silva Coutinho; os alunos de iniciação científica Vinícius Carneiro Ferraz, Natália Cerqueira da Silva, Thaline Castro da Silva e Rodrigo Carneiro Vieira, além do apoio do técnico em Processamento de Polímeros, Dermeval Teodoro Junior – todos da Uezo.

O projeto contempla ainda três alunos do Colégio de Aplicação Emmanuel Leontisinis (Cael), também de  Campo Grande, que trabalham voluntariamente: Rayan Borges de Jesus, Maurício Manoel Rangel da Costa e Victor Matheus Joaquim Salgado Campos. Eles ganharam o segundo lugar na mostra Expo X, da XII Feira de Ciência e Tecnologia do Cael, realizada em novembro de 2011, e disputarão prêmios na Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace), que será realizada em março, em São Paulo. A iniciativa conta com os apoios da Reitoria da Uezo e da diretoria do Colégio Sarah Kubitschek.

Fonte: FAPERJ